Sem avanço na negociação, greve dos professores do RJ seguirá até o dia 26


O impasse nas negociações continua e a greve dos professores da rede estadual do Rio de Janeiro se encaminha para o quinto mês. Iniciada no dia 2 de março, a paralisação se estenderá, pelo menos, terça-feira, dia 26, data em que será realizada a próxima assembleia da categoria. Local e horário já estão definidos: será na Quadra da Escola de Samba São Clemente, no Centro, às 11h.

Até a nova plenária para decidir os rumos da mobilização, o Sindicato dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ), que lidera a greve, participará de, pelo menos, dois protestos. Nesta sexta-feira, dia 22, será realizado um ato, na Cinelândia, às 17h.

No domingo, dia 24, os professores participarão de uma  manifestação dos servidores na Praia de Copacabana, às 11h - concentração: Copacabana Palace. A proposta é aproveitar a visita de turistas, por conta da Olimpíada do Rio, para dar visibilidade aos problemas que os profissionais de órgãos públicos do estado têm enfrentado.
 

A principal reivindicação dos educadores do Estado é o reajuste salarial para recompor as perdas do ano passado e deste ano, decorrentes do fato de o governo do estado não ter concedido nenhum aumento, nem mesmo para recomposição dos índices de inflação.

O Sepe-RJ reivindica 30% de de reajuste. O impasse permanece pois o governo do estado, por conta da crise econômica que o Rio de Janeiro enfrenta, tem informado que não concederá reajuste às categorias vinculadas ao Executivo. Os representantes dos professores também pedem o atendimento de pontos da pauta pedagógica, como a destinação de 1/3 da jornada dos docentes para planejamento pedagógico, medida estabelecida pela Lei do Piso Nacional do Magistério, aprovada em 2008.
 
Outro complicador para o fim da greve é o corte de ponto promovido pela Secretaria de Educação, desde que uma decisão do Tribunal de Justiça autorizou o desconto. Nas redes sociais, é possível encontrar relatos de docentes que já tinham 17 dias de salário descontados. O Sepe-RJ recorreu do corte e espera análise do TJ-RJ sobre o assunto.
 
Estado deve divulgar, em breve, regras de eleição para diretores

Uma das principais reivindicações dos professores, com a qual o governo do Estado já se comprometeu, a eleição direta para diretores de escolas deve ter seu cronograma divulgado nesta sexta-feira dia 22. A data foi informada anunciada por representantes da Secretaria Estadual de Educação em um encontro com representantes de alunos que participaram de ocupações de escolas.

A reunião foi promovida pela Defensoria Pública do Estado (DPE) e contou com a participação de integrantes do Ministério Público Estadual. No encontro, foi discutida a regulamentação da Lei 7.299/2016, que estabeleceu a escolha dos diretores por meio da consulta aos alunos. A norma foi aprovada no último dia 3 de junho e atende uma reivindicação dos estudantes.

A Secretaria de Educação chegou a se posicionar no sentido de que o fato de os professores estarem em greve dificultava a elaboração do cronograma para as eleições. No entanto, por solicitação da coordenadora de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente da Defensoria, Eufrásia Maria das Virgens, ficou acordado que o calendário seria apresentado na sexta e que, no retorno das aulas, seriam feitos os ajustes necessários.

A consulta para escolha dos diretores abrange, além das escolas estaduais, as unidades da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec). Podem participar do processo professores e servidores com funções administrativas e de apoio, alunos acima de 12 anos e pais ou responsáveis dos alunos com menos de 12. A eleição para diretores era uma das reivindicações da pauta de professores da rede estadual do Rio de Janeiro, que estão em greve, e da Faetec, que já terminaram a paralisação.
 

Por: Larica Santos - [email protected]
Assine e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida
OU

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações