Concursos
Petrobrás

  • Imprimir:
Última Atualização - 05/04/2012

Notícia sobre este concurso

Admissões rápidas e tradição de muitas convocações

Por - Leonardo Martes - leonardo.martes@folhadirigida.com.br

Divulgação/ Petrobras

Lairton Correa: interessados já devem iniciar os estudos

A Petrobrás realiza concurso que visa ao preenchimento de 1.521 vagas nas localidades do país em que possui instalações. Além disso, será formado cadastro, em que a empresa tem tradição de grande aproveitamento (na seleção anterior, quase todo o banco foi utilizado, e algumas funções ficaram zeradas).

A meta da Petrobrás é realizar, em média, dois concursos anuais, a fim de cumprir o planejamento estratégico e preencher, até o fim de 2015, 22 mil novas vagas, chegando a um quadro de 76 mil funcionários. "A prática de dois processos seletivos ao ano está relacionada a essa demanda detalhada que se faz desse número estimado para o futuro", disse, em entrevista à FOLHA DIRIGIDA, o gerente de Efetivos da companhia, Lairton Ribeiro.

O gerente destacou a importância desse concurso, que visa a atender às demandas da área de exploração, produção e abastecimento, e ressaltou o investimento que a empresa faz em seus funcionários, além dos benefícios oferecidos, tais como participação no lucro, plano de saúde (extensivo aos familiares), fundo de previdência privada e bolsa de estudos integral ou parcial para os empregados e seus dependentes. "A Petrobrás é uma grande empresa, que vai dar condições de crescimento e desenvolvimento. A companhia tem uma política de RH muito forte, e isso faz com que os empregados permaneçam dentro da organização pela sua trajetória profissional", ressaltou.


Qual a importância desse novo concurso aberto pela Petrobrás, com oferta de 1.521 vagas? A seleção é para atender à demanda originada pelo Pré-Sal?
Lairton Ribeiro – Não. Olhando as estratégias da companhia e os projetos para este ano e 2013, é que foi estruturado e montado esse processo seletivo, e não especificamente o pré-sal. Os efetivos do pré-sal já foram, boa parte deles, contratados e estão em capacitação. As equipes que fazem parte do pré-sal já estão em formação na Universidade Petrobrás ou nas próprias unidades locais. A seleção que nós estamos fazendo neste momento visa a atender as necessidades da área de exploração, produção e abastecimento, principalmente nas áreas técnicas, como operação e manutenção, e as que exigem nível superior, como a engenharia.

Os últimos concursos da Petrobrás estabelecem um quantitativo de vagas por estado em cargos de nível médio, porém as de nível superior são para polo nacional. Por que a Petrobrás vem adotando essa medida?
Quando estamos falando de cargos de nível superior não são todas as localidades do país que oferecem todas as formações, e existem algumas formações específicas de engenharia. Nós precisamos de engenheiros em várias localidades do país. Se não tiver uma universidade para aquela formação em determinada localidade, não adianta fazer um processo seletivo. A Petrobrás, para os cargos de nível superior, faz um processo mais abrangente em nível nacional e depois redistribui essas pessoas pela companhia. Já para os cargos de nível médio, a empresa procura fazer uma seleção que atenda melhor as necessidades daquela área, para ter, com isso, um aproveitamento da mão de obra local. A Petrobrás complementa a formação do funcionário.
Por exemplo, o engenheiro de petróleo, que não existe formação de mercado e é recrutado por formação de engenharia, após a admissão fica em torno de dez a doze meses na Universidade Petrobrás, estudando, para depois assumir um posto de trabalho. O técnico de operação passa por formação teórica e prática e após 18 meses é designado para uma área. Para cada cargo a empresa tem um plano de desenvolvimento, que depende da formação obtida no mercado e das necessidades que a Petrobrás tem internamente.

Ao se classificar para um cargo de nível superior não há a garantia de o aprovado ser lotado em seu estado de origem?
Não. Ele será lotado de acordo com as necessidades da empresa.

A Petrobrás também vem limitando em seus últimos concursos um cadastro de reserva. Nesta nova seleção, por exemplo, farão parte do cadastro os aprovados dentro das classificações abrangidas por até cinco vezes o número de vagas. Ou seja, será formado um cadastro com 6.084 profissionais. Tendo em vista o momento de expansão da empresa, é muito provável que todo o cadastro seja utilizado?
É provável. Essa tem sido a prática dos nossos últimos processos. A Petrobrás tem feito processos na medida certa para atender às necessidades da empresa. O número de vagas é publicado já prevendo o atendimento daquela demanda, de acordo com o planejado naquele momento. Estamos publicando o edital para 1.521 vagas limitando o cadastro de reserva a 6 mil. Pode ser que a Petrobrás necessite mais do que os 1.521, e ela vai aproveitando esse cadastro à medida em que as demandas vão surgindo. A demanda pode surgir por reposição de empregado, por aceleração de uma unidade ou mudança de estratégia da companhia.

O próximo concurso será no segundo semestre?

Não temos um cronograma fixo de quando será. A Petrobrás vem praticando em média dois processos seletivos ao ano. A ideia é que este processo seletivo atenda à demanda deste período. Ano passado foram dois processos, este ano podem ser dois processos, nós já estamos fazendo o segundo levantamento e um estudo, mas eu não posso afirmar que será no segundo semestre ou no primeiro semestre do ano que vem.

Na última seleção, todo ou quase todo o cadastro foi utilizado?
Sim, quase todo ele foi utilizado. Já houve caso de zerarmos o cadastro. No último concurso ficou um restante que poderá ser utilizado, pois ainda está em validade.

Em relação a este novo concurso, a partir de que mês a Petrobrás iniciará a convocação dos aprovados? As contratações serão imediatas?
A prática da empresa tem sido a convocação imediata. O nosso objetivo é, após a conclusão e homologação do processo seletivo, começar a etapa da convocação para essas 1.521 vagas, dentro de um cronograma do período de validade do processo seletivo. Já estamos estabelecendo o cronograma, e a busca de aproveitamento é imediata. A meta é resolver as questões internas da companhia em termos de ingresso de pessoal. Quando se tem um processo seletivo por polo e processo seletivo nacional, nem sempre o polo vai utilizar o cadastro todo, pois depende das necessidades daquele polo.

Há uma previsão de quantos poderão ser convocados em uma primeira leva?

Nós ainda estamos na etapa de elaboração do cronograma. Esse cronograma é feito baseado no que foi publicado no edital, porém, fechando os prazos junto com as várias unidades da companhia. Hoje não temos um cronograma dizendo claramente como vai ser.

Um dos cargos com maior número de vagas é técnico de administração e controle. Esse é um dos cargos com maior necessidade e cujos aprovados deverão ser chamados mais rapidamente?
O cargo de técnico de administração e controle é por polo. Cada polo vai estabelecer o seu cronograma, ou seja, pode ser que o Rio de Janeiro comece a chamar e São Paulo, onde há outro polo, comece a convocar os aprovados depois de dois ou três meses. Mas a nossa ideia é aproveitar o cadastro o mais rápido possível. Essa tem sido a nossa prática. Nos processos anteriores, logo após a homologação, já iniciava a chamada para admissão.

O edital do concurso informa o salario básico, mas também estabelece uma remuneração mínima garantida. Por exemplo: o salário do técnico de administração e controle é de R$1.541, mas com remuneração mínima garantida de R$2.403. Como isso se dá na prática? É porque todas as carreiras possuem uma gratificação?
A companhia tem várias atividades em diversas localidades e regimes de trabalho e cargas horárias diferenciadas. Então, a Petrobrás estipula um mínimo de remuneração a ser paga aos empregados. O salário básico é o que consta em nosso plano de cargos como níveis salariais que são base para todos os cálculos. A remuneração mínima é o compromisso que a Petrobrás tem com cada empregado. Quando se fala do mínimo é o menor salário que o empregado naquele cargo pode ganhar. Se ele estiver em um regime de trabalho diferente, a remuneração será maior, pois variará de acordo com o regime de trabalho dele. Por exemplo: o salário de alguém do administrativo que trabalha em um prédio na sede da companhia é diferente de alguém que trabalha em regime de turno numa unidade operacional. Além disso, a Petrobrás estabeleceu como remuneração mínima, de acordo com o IBGE, uma composição de três valores diferentes para cada uma das regiões do país. A diferença entre elas é de 4%. Existe uma distribuição na remuneração no território nacional. O salário básico é igual em todo o país, mas a remuneração mínima sofre uma variação de acordo com o custo de vida indicado pelo IBGE para cada região.

Muitos profissionais são atraídos para a Petrobrás pelos benefícios oferecidos aos seus funcionários. O senhor poderia listar os principais?
A Petrobrás tem sido uma empresa muito atrativa para o candidato. A companhia ganhou nos últimos cinco anos, de acordo com uma pesquisa feita pela Talentos, de São Paulo, como a empresa do sonho do jovem universitário. A Petrobrás é atrativa justamente porque tem alguns benefícios que são esperados pelas pessoas. O jovem, quando entra em uma empresa, quer ter uma visão da carreira dentro da organização, e quais os desafios que terá pela frente. A Petrobrás tem um investimento muito grande na capacitação e no desenvolvimento das pessoas, e isso mostra a carreira que ele pode fazer dentro da companhia. Além disso, a empresa oferece os benefícios esperados pelo empregado, como assistência médica com um programa de saúde grande, através de um sistema próprio. Esse plano de saúde tem uma gama de benefícios, como hospitais, laboratórios, tratamento odondológico, consultas, que são oferecidos inclusive aos dependentes. Existe também o fundo de seguridade privada, a conhecida Petros, para o qual o empregado faz a sua contribuição com um seguro privado, pensando no seu futuro e que trará uma série de benefícios. Temos também uma série de benefícios na área da educação, muito grande, tanto para empregado quanto para dependentes, proporcionando a oportunidade de estudar em algumas situações, com a empresa pagando os custos de forma integral ou através de convênios com entidades educacionais e outras com reembolso de custo do valor gasto com educação. Outra observação importante é a ambiência que a gente tem dentro da companhia. Nós temos uma pesquisa de ambiência, os empregados respondem a essa pesquisa mostrando a importância que a empresa dá ao empregado, o modelo de gestão que ela tem, a política de recursos humanos, tornando a Petrobrás uma empresa atrativa, uma empresa de sonhos.

Há tíquete-refeição e tíquete-alimentação?
Não. Nas unidades da empresa que têm restaurante, como as refinarias, por exemplo, é descontado do funcionário um valor simbólico. Para quem trabalha em regime de turno, de acordo com a própria lei, essa alimentação é oferecida gratuitamente. E os funcionários da Petrobrás que estão em uma localidade onde não há restaurante recebem o auxílio-almoço no valor de R$636,46, que já vem no contracheque.

Os funcionários da Petrobrás destacam com um dos grandes benefícios oferecidos pela empresa a participação nos lucros (PL). Ela é paga uma única vez ao ano? Em média, um funcionário consegue dobrar ou até mesmo triplicar o seu salario com a PL?
Existe a participação de lucros que, conforme a lei, é paga uma vez por ano. Esse benefício depende dos resultados que a empresa teve e de uma negociação extensa com os representantes dos empregados no sindicato. Portanto, não há como dizer se o funcionário ganhará uma, duas ou três vezes o valor do salário.

Todos os cargos oferecidos são para funcionários juniores. No entanto, sabe-se que a empresa tem profissionais plenos e sêniores. Em média, em quanto tempo ocorre uma promoção?
O empregado é avaliado anualmente aqui na empresa. Através dessa avaliação de desempenho ele pode ganhar essa promoção, e demora, em média, dois anos para passar de júnior para pleno. Essa é a média no mercado de trabalho.

O atual quadro de funcionários efetivos é de 59 mil?
Hoje a empresa possui 59.966 funcionários.

O planejamento estratégico da Petrobrás prevê o preenchimento de 22 mil novas vagas até o fim de 2015, para chegar a um quadro de 76 mil funcionários. Frente a isso, a Petrobrás vai manter a política de realizar de dois a três concursos por ano?
Essa é a ideia. Os nossos planejamentos nos levam a isso. Se tirarmos 76.035 (meta para 2015) de 59.966 (efetivo atual) dará 17 mil. Só que para chegar a 22 mil nós acrescentamos, na diferença, as reposições baseadas em dados estatísticos da companhia como, por exemplo, a aposentadoria de funcionários. Em média, são repostos 1.200 funcionários anualmente, por isso chega a 22 mil. A Petrobrás tem o planejamento anual por cargo até o fim deste ano e início de 2013. O número 76 mil é o efetivo limite que está projetado para 2015, mas ainda não há a definição por cargo nem por demanda de área. São trabalhos que vão sendo revistos e atualizados periodicamente, a cada três ou seis meses, de acordo com a necessidade de uma área nova da companhia. A prática de dois processos seletivos ao ano está relacionada a essa demanda detalhada que se faz desse número estimado para o futuro.

Em média, quantos desligamentos naturais ocorrem por ano na empresa?
Em torno de 1.200 empregados, em todas as áreas e cargos.

Assim como outras empresas, é grande o número de funcionários com idade para se aposentar? Há uma projeção de quantos efetivos deixarão a empresa por esse motivo, até 2015?
Não temos essa projeção a longo prazo. A história tem nos mostrado que as pessoas, apesar de terem tempo de serviço que lhes permite a aposentadoria, optam por continuar trabalhando. Diante disso, não dá mais para fazer uma projeção considerando o tempo de contribuição que a pessoa tem no INSS.

Quais são as carreiras que vão demandar a contratação de mais pessoal nos próximos anos?
Certamente as mesmas do grupo maior que estão em nosso edital. A linha de engenharia, linha técnica de operação e manutenção.

Que mensagem o senhor pode deixar para aqueles que sonham ingressar na Petrobrás?
A Petrobrás é uma grande empresa, que vai dar condições de crescimento e desenvolvimento, uma certa "estabilidade" não legal, pois não temos estabilidade legal, sendo regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Mas a companhia tem uma política de RH muito forte, e isso faz com que os empregados permaneçam dentro da organização, pela sua trajetória profissional. Recomendo que leiam bem o edital, sigam tudo o que está descrito ali, cumpram todas as etapas exigidas e, em caso de dúvidas, procurem a organizadora (Cesgranrio) e busquem esclarecimentos. Façam um roteiro de estudos do conteúdo programático, para se prepararem para o concurso. No dia da prova, sigam as orientações do edital sobre o que pode ou não levar e vão fazer a prova da forma mais tranquila possível, pois assim alcançarão o sucesso.

Comentários

Para publicar comentários, assine ou faça login.

  • Siga a Folha Dirigida nas redes sociais