Concursos > Preparação

  • Imprimir:
  • Compartilhe
Última Atualização - 13/11/2012

Saiba quais são os 20 principais erros dos concurseiros

Por - Luan Monteiro - luan.monteiro@folhadirigida.com.br

A preparação para conseguir a classificação em um concurso público está cada vez mais difícil. A cada ano a concorrência aumenta. Atualmente, segundo dados da Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac), mais de 12 milhões de pessoas realizam seleções por todo o Brasil. Ou seja, cada vez mais é preciso ser diferente, se planejar e evitar erros bobos.
 
Segundo o fundador do Gran Cursos, Wilson Granjeiro, é preciso ousar. "Atualmente em concursos o candidato é aprovado no detalhe. É preciso ter uma estratégia bem elaborada, diferente; é preciso ousar. É isso que garante a classificação. Ser aprovado é até fácil, o problema é se classificar. E para isso, repito, é preciso ser diferente, ter um bom planejamento e sempre persistir para alcançar o objetivo", declara.
 
O especialista destaca alguns dos principais erros dos candidatos. "Os erros mais comuns são deixar para estudar na véspera, esperar o edital ser publicado. Outro erro comum é achar que o colega de sala é o maior inimigo. É fundamental conhecer a banca organizadora", comenta.
 
O professor elaborou uma lista com os 20 principais erros dos concurseiros. Acompanhe:
 
1. Observar apenas o número de vagas ou a remuneração
 
É muito comum o candidato deixar de observar critérios importantes, como vocação, afinidade, formação escolar e experiência, no momento de optar por uma ou outra carreira pública. Frequentemente, a escolha leva em conta apenas o número de vagas oferecidas no edital ou o valor inicial da remuneração do cargo.
 
2. Escolher o concurso pela estimativa de baixa concorrência
 
O concurseiro que leva em conta apenas a estimativa de baixa concorrência para fazer sua escolha comete um erro primário. 'O grande número de vagas facilitará minha aprovação', pensa ele. Errado. Em regra, a oferta de muitas vagas acaba por atrair mais candidatos, o que reduz matematicamente as chances de sucesso.
 
3. Não avaliar se está apto para a carreira
 
A remuneração inicial, sem dúvida pesa muito na hora da decisão por um ou outro concurso. Mas o candidato também precisa avaliar se tem aptidão para a carreira em vista. Do contrário, pode não conseguir cumprir devidamente as atribuições do cargo assumido. A afinidade com a carreira escolhida é decisiva para que o servidor mantenha o emprego, tenha um futuro profissional brilhante e seja feliz no trabalho.
 
4. Não ler o edital adequadamente
 
Outro erro que costuma derrubar os candidatos mais descuidados: não traduzir o edital. Concurseiro que se preze lê todo o conteúdo da norma que rege a seleção. Assim, ele se certifica de que preenche os requisitos para a posse no cargo, e ao mesmo tempo toma ciência de todo o programa cobrado nas provas. Não raro, o edital ainda contém dispositivos ou incorre em erros que podem se converter em armas do candidato atento, quando, mais tarde, tiver de instruir recursos.
 
5. Desconhecer o perfil da banca examinadora
 
Alguns concurseiros teimosos insistem em ignorar outra dica preciosa: conhecer bem a banca é a chave para a aprovação. O candidato deve estudar exaustivamente as provas de concursos anteriores, a fim de identificar pontos recorrentes em cada matéria. Sem dúvida alguma, muitos deles se repetirão em questões da seleção em que o candidato estiver inscrito.
 
6. Não destinar aos estudos, uma vez por semana, o tempo exato que terá para resolver as questões da prova
 
Pelo menos uma vez por semana, o candidato deve destinar aos estudos o exato tempo que terá para resolver as questões da prova. Se a prova tiver previsão de durar quatro horas, o mesmo deve estudar durante quatro horas seguidas. Com esse tipo de treinamento, desenvolve-se agilidade de raciocínio para resolver as questões no tempo estabelecido pela banca. É uma forma de se preparar para controlar a ansiedade no 'dia D'.
 
7. Deixar de estudar na semana que antecede a prova ou privilegiar apenas algumas disciplinas
 
Fazer muitos resumos para revisão na semana da prova é outra falha que pode comprometer meses – e até anos – de estudo. Ainda pior é a decisão, equivocada mas muitíssimo comum, de privilegiar algumas disciplinas em detrimento de outras na reta final da preparação. É preciso manter o ritmo até o momento da prova. O candidato deve revisar todas as matérias, sem exceção.
 
8. Não esgotar o conteúdo programático contido no edital
 
Muitos dos inscritos nos concursos desistem de esgotar o programa contido no edital, outro deslize que costuma ser determinante para o mau desempenho nas provas. O candidato nunca deve achar que este ou aquele item é menos importante e não cairá na prova. Ao contrário, o concurseiro deve estudar todo o conteúdo exigido pela banca examinadora.
 
9. Não estudar em grupo
 
Quem não gosta ou não consegue estudar em grupo deixa de aproveitar uma das mais eficazes ferramentas para garantir uma boa preparação e, consequentemente, aumentar as chances de aprovação.
 
10. Não resolver provas de concursos anteriores
 
É preciso conhecer trabalhos anteriores da banca examinadora. Tão importante quanto isso é responder questões de certames anteriores, a título de treinamento. O candidato que não faz isso perde uma ótima oportunidade de melhorar o desempenho nas provas, sobretudo na reta final do concurso. Esse tipo de exercício é uma forma de fixar na mente questões que têm grande chance de ser cobradas pelos examinadores.
 
11. Pensar que o colega de turma é o principal concorrente
 
Achar que o colega de turma é o principal concorrente é mais um erro cometido pela maioria dos concurseiros. Não posso concordar com esse tipo de raciocínio. Garanto que, pelo menos aqui, no Gran Cursos, as chances de todos os alunos que frequentam os cursos são idênticas, graças à preparação uniforme de todas as turmas. O conteúdo ministrado nas aulas de qualquer matéria é rigorosamente baseado no edital do concurso. Portanto, todos aqui concorrem em igualdade de condições e podem se ajudar mutuamente. Procure ver no colega um aliado.
 
12. Subestimar a experiência do professor
 
Outro deslize que derruba muitos candidatos é desprezar a experiência dos professores. Tenha certeza: não apenas as aulas que eles ministram, mas também as dicas que eles sempre oferecem são preciosas.
 
13. Frequentar apenas cursos de exercícios sem ter estudado a teoria previamente
 
Um erro dos mais comuns é frequentar apenas cursos de exercícios, sem ter, antes, estudado a teoria. Essa conduta dificulta o aprendizado e a fixação da matéria. Normalmente, o candidato que faz isso também tem o hábito de começar os estudos, mas interrompê-lo ao primeiro sinal de cansaço, para recomeçar o ciclo quando sai outro edital. Muitas vezes os motivos que levam o concurseiro a agir assim independem de sua vontade, mas deve-se evitar ao máximo esses hiatos.
 
14. Experimentar novas estratégias às vésperas da prova
 
Fazer experiências nos dias que antecedem a prova, como passar a noite sem dormir, ir para uma festa ou comemoração. São erros que o candidato não pode e não deve cometer. Na semana anterior não se deve inventar. Há candidatos que passam a noite anterior à prova estudando e chegam na prova cansados, sem condições.
 
15. Começar a estudar apenas quando o edital é publicado
 
Esse erro é muito comum. O concurseiro acredita que que irá vencer todo o conteúdo em um pequeno espaço de tempo. Não é possível estudar tudo em 30, 45 dias. É preciso construir a base ao longo do tempo. Não se consegue ser aprovado da noite para o dia.
 
16. Inscrever-se em concurso de nível médio apesar de já ter formação superior
 
Esse é um erro clássico. O candidato acredita que irá levar vantagem pela graduação, concorrendo com pessoal de nível médio. Mas quem passa nos primeiros lugares de concursos para nível médio são candidatos com apenas o nível médio. Essas pessoas estão bem afinadas com o conteúdo exigido no edital. Não é escolaridade, não é graduação, não é nada disso que leva a aprovação. O que faz o candidato ser aprovado é a preparação adequada.
 
17. Usar, para os estudos, textos de leis extraídos de sites não oficiais
 
Ficar estudando, consultando legislação de sites que não são atualizados, não são do governo. É um erro grave. O candidato acaba estudando conteúdo que não vale mais ou já foi revogado, alterado, não tem valor. 
 
18. Iniciar a preparação para o teste de aptidão física apenas depois de divulgado o resultado da prova objetiva
 
Isso é comum. As pessoas deixam para se preparar depois do resultado da prova escrita. Quando o candidato se inscreve para concursos que tenham o TAF já deve buscar ajuda de um profissional. Quem deixar para a véspera pode ter a certeza da eliminação.
 
19. Restringir-se a assistir às aulas do curso, sem reservar tempo para o estudo individual
 
Não estudar em grupo e não reservar pelo menos duas horas para estudo individual, assistir apenas as aulas não é o suficiente.
 
20. Abandonar todas as atividades físicas – em especial a aeróbica – enquanto se prepara para o concurso
 
O candidato deve sempre fazer exercicios. Tanto os de provas anteriores como os físicos. A ciência demonstra que o exercício aeróbico aumenta a capacidade cognitiva. 

Comentários

Para publicar comentários, assine ou faça login.

  • Siga a Folha Dirigida nas redes sociais