Folha Dirigida Entrar Assine

Parada estratégica para a Uerj?


A corrida por uma vaga em uma universidade está começando a entrar em sua fase decisiva. A pouco mais de um mês para o 1º Exame de Qualificação do Vestibular Estadual, muitos candidatos, provavelmente, se dividem entre focar a preparação na prova estadual ou manter o ritmo nos estudos para o Enem, a avaliação mais importante do ano para a maioria, por selecionar para várias instituições públicas. As duas são as portas de entrada para as universidades fluminenses.

Para o professor Luís Felipe Abad, coordenador interdisciplinar do Colégio-Curso PH, a melhor solução, neste momento, é focar os estudos para o vestibular Estadual. O exame seleciona para a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e para o Centro Universitário da Zona Oeste (Uezo). Segundo o coordenador, uma preparação não exclui a outra.
 
"Acho que, com a proximidade da prova da Uerj, o foco deve ser o vestibular Estadual, até porque ele tem um caráter interdisciplinar assim como o Enem. Então, estudando para a Uerj, o candidato também estará, de certa forma, fazendo a preparação para o Enem. Mas, no momento, o foco tem que ser o Estadual", disse.
 
Já Patrícia Graeff, professora de Língua Portuguesa do Sistema Elite de Ensino, recomenda que os candidatos tentem conciliar os estudos para as duas provas. Segundo a professora, a principal diferença entre elas é que a Uerj cobra mais o conteúdo, enquanto o Enem tem uma abordagem mais superficial. Entretanto, há também semelhanças entre ambas.

"São provas que trabalham em cima do textos. Todas as questões são voltadas para um determinado contexto, raciocínio do candidato e análise textual. A ordem é treinar sempre e nunca parar de estudar para não perder o ritmo. É preciso fazer um planejamento semanal, mas nunca ficar parado", disse Patrícia Graeff.

Além de perfis semelhantes, as provas costumam cobrar conteúdos comuns. Segundo Luís Felipe Abad, que leciona Matemática, os tópicos da disciplina que são cobrados, com mais frequência, pelos dois exames são geometria plana e espacial, cálculos de probabilidade e estudos das funções. Já em Português, segundo Patrícia Graeff, são cobrados interpretação de textos, coesão e coerência, entre outros.

"O candidato que se prepara para a Uerj não corre o risco de perder o ritmo para o Enem. O estudo para o vestibular Estadual é forte. É preciso trabalhar todos os conteúdos e também a questão da interdisciplinaridade. Então o vestibulando não corre nenhum risco quanto a preparação para o Enem", afirmou o professor Luís Felipe Abad.

Para os candidatos que preferem estudar para as duas provas, a recomendação do professor Luís Felipe Abad é conciliar as diferentes fases de preparação. Enquanto para a Uerj, o momento é de revisão, para o Enem, o candidato deve conhecer o perfil da prova. Já a professora Patrícia Graeff recomenda a prática e busca por conteúdos similares.

"É importante que o candidato esteja sabendo cada tópico dos editais das provas e os conteúdos que se assemelham. Mas a ordem é fazer exercícios. O que o vestibulando precisa para estar bem preparado é o treinamento. É preciso se acostumar com os estilos das provas. O candidato deve então pegar os exercícios anteriores e fazer as questões", recomenda.

Por: Daiane Possimoser - [email protected]
Assine e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida
OU

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações