Folha Dirigida Entrar Assine

Especialistas orientam candidatos para o estudo


No início deste ano, os candidatos a concursos para escolas militares foram surpreendidos por uma decisão da Marinha de suspender a divulgação de seus editais. A medida foi tomada porque a corporação espera a aprovação de um Projeto de Lei, no Congresso Nacional, que estabelece regras para ingresso. O Projeto tornou-se necessário porque o Supremo Tribunal Federal, no ano passado, considerou que a exigência de limites de idade era inconstitucional, se não fosse baseada em uma lei nacional.

Embora não tenha oficialmente declarado a suspensão da divulgação de seus editais, a posição do Exército, em princípio, é a de aguardar pela aprovação de um projeto de lei de natureza semelhante ao da Marinha. No caso da Aeronáutica, a programação de concursos não foi afetada pois, no final do ano passado, já foi aprovada, no Congresso Nacional, uma lei específica para a corporação.

A suspensão da liberação de editais, sem dúvida, tem causado expectativa entre os candidatos. A expectativa é de que os Projeto de Lei para ingresso na Marinha e no Exército sejam votados até o fim do semestre mas, a principal recomendação dos especialistas é que os candidatos não aguardem pela definição legal para intensificarem seus estudos para os concursos. Até porque, assim que ocorrer a aprovação, vários editais devem ser divulgados de forma simultânea, com apenas alguns meses entre o período de inscrições e a realização das provas. Abaixo, todos podem conferir dicas que vão desde a melhor forma de aproveitar o período e reorganizar os estudos até as características essenciais para quem busca a carreira militar:

"A questão está relacionada apenas com a faixa etária e os limites de idade cobrados nesses concursos. O candidato não deve estar preocupado com isso e precisa, na realidade, fazer a preparação específica, independente do resultado da votação no Congresso. Eu sempre aconselho aos meus alunos que estudem pelo menos quatro ou cinco horas fora de sala de aula. Independente do que vier, as mudanças serão iguais para todo mundo. E o candidato tem que querer estar mais preparado do que os concorrentes. Esse atraso na liberação dos editais não apresenta situações que sejam prejudiciais. Na pior das hipóteses vai continuar o que era. O que mais importa, independente de qualquer coisa, é o estudo. O aluno deve esquecer dessa decisão do Congresso e seguir com a preparação dele. O importante é exercitar bastante. O candidato não deve começar do zero, tem que estudar muito antes para saber como resolver e por onde começar a questão."
Professor Ricardo Amorim, diretor do Colégio-Curso Tamandaré de Nova Iguaçu

"No caso do Colégio Naval, em geral, essa prova acontece nos últimos dia de julho. Mas, por enquanto, só existem interrogações em relação a quando serão divulgados o edital deste e de outros concursos para a Marinha. Então, o mais importante, neste momento, é o candidato aproveitar esse tempo adicional que terá, por causa da suspensão da divulgação do edital, para estudar. Uma dica é rever os conteúdos que já foram dados, estudar de forma mais leve, fixando os tópicos que já foram passados e não ficar aguardando a votação no Congresso. O candidato precisa ter em mente que a prova deve acontecer entre agosto e setembro. De qualquer maneira, o aluno que pensa em fazer um concurso militar precisa de perseverança, foco e um plano de estudo do qual ele não podefugir. É fundamental estudar diariamente, até porque os processos seletivos são severos. No Colégio Naval, por exemplo,  o quantitativo de candidatos que não consegue acertar 50% da prova é muito grande."
Professor Carlos Alberto Guerra, coordenador de concursos militares do Colégio-Curso Tamandaré

"O adiamento permite ao candidato que está lacuna de aprendizagem, a oportunidade de reverter isso. Da mesma maneira, o candidato mais preparado pode aproveitar o tempo para se aprimorar e se aprofundar nos pontos em que tinha dificuldade. O adiamento só é ruim para o ocioso. Ainda mais no caso dos concursos militares, que eles adiam, mas fazem. O que o estudante precisa é ter a capacidade de mapeamento do estudo, ou seja, saber identificar aquilo precisa priorizar, que são conhecimentos que ele esqueceu ou teve dificuldade em aprender. Se ele não mapear os estudos agora, vai ficar bem complicado no momento da prova. Acredito que, qualquer que seja a decisão do Congresso, esperar o concurso aumenta a ansiedade. Mas o aluno que está preparado e focado não terá dificuldade em aguardar esse tempo. O candidato não deve esperar para estudar. Concurso não se estuda para passar e sim até passar."
Edson Moscoso, vice-diretor da unidade Tijuca do Sistema Elite de Ensino

"O adiamento é bom tanto para os alunos quanto para os professores, pois é possível praticar mais exercícios. Eu acredito que a média da prova será mais alta do que a do ano passado, pois os candidatos estão tendo mais tempo para se preparar. O estudante pode aproveitar esse período fazendo mais exercícios, pegando a última prova e a penúltima, que estão disponíveis na internet. Quanto mais questões do concurso o candidato puder fazer, melhor para ele. Esse adiamento não será, de maneira nenhuma, negativo para o candidato. É só manter o ritmo de preparação enquanto aguarda a decisão do Congresso. Além disso, aqueles que estariam fora por causa do limite de idade devem estudar também. Pode haver alguma alteração que permita que ele preste o concurso esse ano. Um fator fundamental para entrar na carreira militar é o estudante ter o perfil para isso. É preciso saber comandar e ser comandado."
Adílson Masa, coordenador da área de concursos Militares do Curso Progressão

"O mais importante é o aluno ir estudando enquanto o edital não é liberado. Naturalmente, o ideal seria já ter o edital, pois quanto mais cedo ele é divulgado, mais cedo o candidato pode se preparar. Hoje, no
caso da Marinha, infelizmente, o candidato ainda não conhece o edital, não sabe como será a prova nem o programa. Além disso, pode haver alguma alteração em relação ao ano passado como pode não haver nenhuma. Afinal, o programa será o mesmo do ano passado? Os tópicos serão os mesmos? O candidato pode começar estudar pelo último edital, pois o melhor é não esperar pela votação do Congresso Nacional no fim do semestre. Para passar em um concurso militar é preciso ter rotina de estudos, conhecer as provas anteriores e também estar focado no concurso que vai prestar. O candidato precisa realmente saber o que ele quer e não fazer somente porque as pessoas acham que ele deve prestar ou o amigos irão fazer."
Professor José Tavares, diretor do Colégio Curso Martins

Por: Daiane Possimoser - [email protected]
Assine e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida
OU

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações