Folha Dirigida Entrar Assine

Personalidades ligadas à cultura recebem Prêmio São Sebastião


A Associação Cultural da Arquidiocese do Rio de Janeiro entregou, na noite do dia 24 de janeiro, em um coquetel realizado na Casa de Arte e Cultura Julieta de Serpa, o Prêmio São Sebastião de Cultura. Recebem a honraria, personalidades ou instituições que se destacaram e contribuíram de forma expressiva para a cultura.

A solenidade foi aberta pelo atual presidente da Associação, Carlos Alberto Serpa, que em sua fala ressaltou a importância do prêmio, a maior homenagem da cultura brasileira no Rio de Janeiro, segundo ele. De acordo com o presidente, os escolhidos receberam aprovação unânime do conselho. "É um reconhecimento do que fizeram e continuarão fazendo pela cultura e pelo desenvolvimento humano. Quando reconhecemos esse tipo de ação, estimulamos que outras pessoas também se dediquem. O Brasil é um país que precisa de exemplos", disse.

Os prêmios, esculturas que fazem referência ao Rio de Janeiro, criadas pelo artista Ziraldo, integrante do conselho, foram entregues pelas mãos do Arcebispo da cidade, Dom Orani Tempesta, que fez questão de agradecer e parabenizar o trabalho desenvolvido por cada um dos homenageados da noite. "A ideia é contemplá-los para que isso ocorra cada vez mais. Espero que sirva de inspiração. A Igreja sempre teve esse lado da cultura e é nossa obrigação reconhecer quem faz o bem. Agradeço pelo exemplo e pelas ações em favor da humanidade", falou.

Entre os contemplados estavam importantes nomes como o do Secretário de Segurança do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, que recebeu o Prêmio Especial/Pessoa Física. "É muito gratificante. Aumenta ainda mais a responsabilidade, mas as pessoas podem ter certeza que isso me deixará ainda mais comprometido", disse.

Na categoria Comunicação/Pessoa Física, a contemplada foi a jornalista e ex-apresentadora do Jorna Nacional, Fátima Bernardes. "Estou em um momento especial da minha vida. Fiz uma mudança na trajetória da minha carreira e receber um prêmio pelo trabalho que vinha desempenhando até então é muito legal. Estou muito feliz", falou. Outra jornalista a receber um prêmio, mas na categoria Audiovisual, foi Leda Nagle, há dez anos no comando do programa Sem Censura. "É uma honra e, sobretudo, uma maneira de você ver que seu trabalho é compreendido. Recebo com muita alegria", disse.

Os demais contemplados foram: Instituto Inhotim (Ação Cultural), Luciano Huck (Promoção Social), Gonçalo Ivo (Artes Plásticas) Dom Filippo Santoro (Divulgação da Fé), Padre Jesús Hortal Sánchez (Guilherme Arinos), Lilia Cabral (Artes Cênicas), Tiago Abravanel (Música), Instituto Fernando Henrique Cardoso (Comunicação/Pessoa Jurídica), Unicafé (Especial/Pessoa Jurídica) e Guilherme Arinos (In Memoriam). Além disso, Christiane Torloni, Luiz Paulo Horta e Música no Museu receberam menções honrosas.

A premiação acontece anualmente, desde 1993, por ocasião dos festejos do padroeiro da cidade do Rio de Janeiro. A ideia e o regulamento do prêmio foram ideias do professor Sérgio Pereira da Silva, presidente da Associação na época, e instituído por Dom Eugenio de Araújo Sales, hoje Arcebispo Emérito do Rio de Janeiro. As indicações para cada uma das 13 categorias são feitas pelos conselheiros da Associação Cultural. Quinze dias depois, a diretoria submete os nomes à reunião plenária do conselho para a aprovação dos homenageados.

Por: Larica Santos - [email protected]
Assine e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida
OU

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações