Folha Dirigida Entrar Assine

Redação trilíngue: a marca do Gaylussac


Já é tradição do Instituto Gaylussac, de Niterói, a produção de textos nas línguas portuguesa, inglesa e espanhola para o Projeto Redação, uma inciativa da FOLHA DIRIGIDA, em parceria com escolas e redes de ensino, e que conta com o apoio institucional da Fundação Biblioteca Nacional. Além da opção do idioma que pretende desenvolver o texto, os alunos podem escolher o tema e o gênero que melhor preferir.

Veja também
Projeto Redação Instituto Gaylussac: aliado educacional

Projeto Redação 2016 Instituto Gaylussac: possibilidade de acompanhar a evolução dos alunos


Ao todo, na escola, serão escolhidos 50 textos, sendo dez em espanhol, dez em inglês e 30 em português. A professora de Língua portuguesa, Camila Groppo, disse como é o processo de elaboração dos textos feito pelos alunos da escola.

"Não existe um tema e um gênero específico. As vezes os alunos acabam enviando algum texto com assuntos que foram desenvolvidos ou produzidos na sala de aula. Deixamos livre para eles escolherem como preferem e o que querem escrever."

Como os textos do Projeto Redação 2016 não somam nota no boletim dos estudantes, a escola não obriga os estudantes a participarem do concurso. Mesmo assim, segundo a professora de Língua portuguesa e orientadora de Língua espanhola, Karla Faria, é grande o interesse em publicar o texto no livro.

"Eles gostam muito e se sentem muito motivados para participar. No início do ano, alguns alunos já aparecem com textos para o projeto. Não é um trabalho que envolve nota. É uma atividade que corre paralelo ao conteúdo que está sendo dado em sala de aula. Eles nos mostram os textos e pedem nossa opinião. Nós conversamos com eles que ficam bem animados para poderem publicar seu texto no livro", disse a orientadora.

Os textos são recebidos e analisados pelos professores durante o ano letivo. A professora de Língua inglesa, Monica Kassuga, diz o quanto é importante dar liberdade para o aluno seu desenvolver.

"A escrita é um ato livre. Se ficarmos cerceando o processo criativo do aluno, ele vai acabar não gostando muito de escrever. Não obrigamos os alunos a produzirem os textos. Os textos são frutos das próprias aulas. De acordo com a qualidade do texto, nós vamos convidando os alunos ou os próprios alunos mesmo já dizem que gostariam de colocar seu texto no projeto redação."

Mesmo com a liberdade dada aos alunos na produção dos textos, as produções escolhidas, em sua maioria, acabam sendo as que possuem temas abordados em sala de aula.

"É mais comum a gente escolher redações que trabalhamos em sala de aula. Por exemplo, no ensino médio, os alunos têm que fazer um texto sobre lendas. Dependendo da qualidade da redação, perguntamos se ele que colocar para concorrer a publicação no livro", disse a professora de Língua Espanhola, Susana Martinez.

Outra questão é a publicação de mais de um texto em diferentes línguas. Susana Martinez diz que em meio a correção são escolhidos apenas um texto de uma língua para que a maior quantidade possível de alunos consigam publicar.

"Quando a gente tem três textos de um aluno, um em Inglês, um Português e um em Espanhol, procuramos fazer com que o aluno publique apenas um texto. Para poder dar espaço para outro aluno."

Assine e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida
OU

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações