Folha Dirigida Entrar Assine

Por trás das câmeras


Ao mencionar profissionais que trabalham no cinema, na TV, no rádio ou em qualquer outro meio de comunicação, o mais comum é associarmos as pessoas que vemos e ouvimos através destes veículos, porém o que nem sempre nos damos conta, é que para estas imagens e sons chegarem até os espectadores é preciso, antes, passar por uma equipe de profissionais qualificados. Estes profissionais integram a chamada indústria do Audiovisual e são responsáveis, não somente por mantê-la em funcionamento, como em fornecer a mão de obra necessária para que ela possa existir.

O termo audiovisual caracteriza o conjunto de todas as tecnologias, formas de comunicação e produtos constituídos de sons e imagens com impressão de movimento, abrangendo, portanto, o cinema ficcional ou documental, a televisão aberta ou fechada e todos os seus gêneros, o vídeo analógico ou digital, a animação tradicional ou computadorizada e também formatos mais ou menos autônomos como o comercial de
publicidade, o videoclipe, os programas de propaganda política, o making of, as transmissões ao vivo e os vídeos feitos para exibição na internet, entre outros.
 
O mercado do Audiovisual
No Rio de Janeiro a oferta de trabalho para quem deseja atuar nesse segmento é grande, já que o Estado é o líder da Indústria Audiovisual brasileira. Além disso, cerca de 90% da bilheteria do cinema nacional têm origem na produção de empresas sediadas no Estado do Rio, que também é usado para a locação de diversas produções estrangeiras. No Rio de Janeiro estão, também, a maior rede de televisão aberta do país (TV Globo), a Agência Nacional do Cinema (Ancine), os dois maiores patrocinadores do cinema nacional (Petrobras e BNDES) e o fundo de investimentos no setor, o Funcine. "Não é de hoje que o Rio se tornou um cenário propício do audiovisual, pois atrai produções estrangeiras, como filmes, vídeo clipes e comercias e, também, por sediar, nos próximos anos, grandes eventos esportivos", comenta o técnico de educação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) de Laranjeiras, Fernando Rezende.

O Rio de Janeiro é também cenário de grandes e importantes eventos do setor, como o Festival do Rio - maior evento de cinema da América Latina, responsável por reunir profissionais do mercado cinematográfico nacional e internacional - e o Anima Mundi, maior festival de animação do país e terceiro maior do mundo. "Outro incentivo para o crescimento da Indústria Audiovisual no Rio foi a lei 12485 que, em resumo, determina que os canais de TV fechada sejam obrigados a exibir conteúdo produzido nacionalmente, isso tudo aqueceu o mercado e fez surgir muitas oportunidades", afirma Fernando Rezende.

Por estes e outros motivos, a indústria do audiovisual possui um mercado favorável e forte no estado com muitas oportunidades de emprego em diferentes setores ligados a área. Segundo a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) serão criados no segmento, em todo Brasil, até o ano de 2016, cerca de 86 mil novos postos de trabalho. O Estado do Rio será responsável pela metade destas vagas, onde até a data prevista devem ser abertas 43 mil novas chances de emprego.

Atualmente, a cidade do Rio é a maior empregadora com 27.979 trabalhadores, seguida pela região Leste a segunda maior, com 2.778 postos de trabalho e em terceiro lugar a região Sul, com 1.588. Em todo o estado, há 37.107 empregados no setor e o segmento conta com 2.605 estabelecimentos. Além da grande quantidades de vagas, a remuneração é outro fator que funciona como um atrativo da área. Neste quesito, de acordo com o Sistema Firjan - com dados do Ministério do Trabalho e Emprego, referentes ao ano de 2010 - a melhor média salarial é na cidade do Rio. A capital, também, é a
região que registra os melhores salários pagos aos trabalhadores com formação de ensino médio completo (em média: R$2,322) e àqueles que têm escolaridade mais alta (em média: R$5,903).
 
As áreas de atuação
Em função da diversidade de locais de trabalho e de setores dentro desta indústria, a atividade audiovisual para o cinema, televisão ou publicidade divide-se em três etapas: pré-produção, produção e pós- produção. Na pré-produção se dá a aquisição de direitos sobre determinada história, a elaboração do planejamento e projeto das atividades produtivas, a captação de recursos para viabilizar a obra, a seleção de equipes e locações e a busca de parcerias artísticas e empresariais. Nessa etapa, além dos profissionais de roteiro e de concepção (diretores de arte, fotografia e etc.), atuam aqueles que trabalham com a elaboração de projetos, cenografia e iluminação.

A produção diz respeito à elaboração bruta do produto - a gravação de cenas em sets de filmagem -, que emprega atores, cinegrafistas, iluminadores e eletricistas, profissionais de efeitos especiais, maquinistas e operadores de captação de áudio. Já a pós-produção
compreende a finalização da obra (edição e montagem), a inserção da trilha sonora e dos efeitos especiais e animações digitais. Nesta etapa, são utilizados softwares específicos e equipamentos de gravação de sons e imagens para execução da telecinagem, mixagem e masterização, que mobilizam dubladores, editores de vídeo, designer de som, animadores digitais e desenhistas, entre outros.
 
Portanto, cada uma destas etapas necessita de uma demanda de trabalhadores que podem atuar em estúdios, ilhas de edição, produção de programas de TV, shows, cinema e animação. Além disso, o trabalhador pode atuar, ainda, como autônomo. "Esse meio ainda possui muito trabalho informal onde o profissional é, ao mesmo tempo, pessoa jurídica e prestador de serviço e há, também, a fatia de trabalhadores celetistas", diz o técnico de educação do Senai de Laranjeiras, Fernando Rezende.

A qualificação
Os interessados em ocupar uma das oportunidades de emprego oferecidas pelo setor devem procurar a qualificação específica para a área desta indústria que deseja atuar. Para isto, são oferecidos diversos cursos para preparação ou aperfeiçoamento do profissional. No Estado do Rio, não faltam aulas e instituições de ensino responsáveis por capacitar os interessados na área Audiovisual. São oferecidos cursos das mais variadas cargas horárias, especialidades, e nível de escolaridade e, é possível realizar desde a graduação a cursos profissionalizantes. Um dos conhecidos locais que oferece esse tipo de qualificação é o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

No Senai quem deseja se capacitar na área pode se matricular em aulas de Animação 2D, Animação de Objetos 3D, Captação de Recursos para Projetos Audiovisuais, Concepção de Projetos Audiovisuais, Fundamentos Técnicos de Som para Audiovisual, Luminotécnica, Técnicas de Iluminação e Técnicas de Stop Motion. Todos voltados para o aperfeiçoamento profissional. Já na área de qualificação são oferecidos cursos de Desenhista em Animação, Eletricista da Indústria Audiovisual, Animador em Stop Motion.
 
Segundo o técnico de educação do Senai de Laranjeiras, Fernando Rezende, no município do Rio é possível encontrar estes cursos nas unidades do Senai de Laranjeiras e do Maracanã. "Em Laranjeiras há cursos nas áreas de Áudio, Fotografia, Câmera, Gestão de Projetos e Animação. Já na unidade do Maracanã são oferecidas aulas de Animação e Multimídia", diz. Fernando explica, ainda, a diferença entre os cursos de aperfeiçoamento e qualificação. "Os cursos de aperfeiçoamento, chamados cursos livres, tem menor duração e podem ser feitos, por exemplo, por pessoas que não tenham ainda uma noção
na área para que assim possam conhecê-la ou por pessoas que já sejam profissionais e desejam se aperfeiçoar. Os cursos de qualificação que são mais demorados são indicados para quem deseja realmente investir naquela carreira e adquirir uma profissão", explica.

Os pré-requisitos para participar variam de acordo com a modalidade escolhida, porém há cursos para pessoas a partir dos 16 anos de idade, com o ensino fundamental. De acordo com o técnico de educação do Senai de Laranjeiras, desde outubro de 2012, a instituição firmou uma parceria com a RioFilme para disponibilizar vagas para os estudantes do setor de Audiovisual. Ao todo devem ser oferecidas 900 oportunidades. Atualmente ainda estão disponíveis cerca de 100 vagas. "Em função desta parceria, até julho deste ano teremos 900 profissionais ingressando no mercado de trabalho", diz Fernando Rezende.
 
Profissionais do Audiovisual
Para Fernando Rezende, com a grande oferta de vagas pode haver uma carência de profissionais para determinadas funções. "A área de som, por exemplo, é muito carente de pessoas especializadas, assim como o setor de animação, principalmente na função de desenhista de storyboard, quem possui a formação nessas áreas são disputados no
mercado. Acredito que cada um dos setores que compõe o Audiovisual possuem um cargo onde falta profissionais", diz. Alguns profissionais entram no setor por acaso, como ocorreu com a estudante de Jornalismo, Camila Guimarães, que trabalha com Audiovisual desde 2010. Camila afirma que sempre gostou da área, principalmente fotografia e vídeo, mas não havia tido muito contato com ambas até ingressar na universidade. "Quando entrei para a faculdade e me deparei com o mundo audiovisual, me encontrei profissionalmente. É uma área que permite criar e comunicar de uma forma única e muito
forte", diz.

Segundo ela o que mais a atraiu nesse ramo foi a possibilidade de criação. "Mesmo que você esteja trabalhando para alguma outra pessoa, o audiovisual é criação. Não é como um trabalho administrativo, por exemplo. Mesmo que existam teorias a cerca do audiovisual ele é sempre aberto a formas e formatos diferentes. Ele sempre pode se tornar em algo diferente, nunca visto", explica. Em relação ao mercado de trabalho, Camila explica que quando se entra nesse ramo, percebe-se que há espaço para todos, exatamente por causa da possibilidade de criação. "As novas mídias, principalmente, ampliaram muito o mercado audiovisual. Já trabalhei em muitos lugares envolvidos com a área, atualmente montei uma produtora, a Pitanga Audiovisual e trabalho com documentários, curta-metragem, entre outras coisas", afirma.

A diversificada Indústria do Audiovisual possui espaço, ainda, para quem acaba se interessando pela área e se tornando profissional por hobbie ou gostos pessoais. Este é o caso de Renan Castelo Branco, que trabalha na área há cinco anos. Ele conta que já costumava fazer gravações e edições pessoais, porém, começou a pensar em se
profissionalizar no decorrer da graduação. "No segundo ou terceiro período acabei sabendo da existência de um estágio na própria faculdade que envolvia audiovisual. Fiz o teste e consegui entrar. No meu caso foi unir o útil ao agradável, a paixão pelo audiovisual e oportunidade de me especializar na área. O lado financeiro veio pesar depois", diz.

Para Renan o momento atual do mercado Audiovisual é favorável. "O crescimento do mercado é inegável. Os avanços tecnológicos, os preços mais acessíveis e o crescimento sem escala de uma cultura midiática, que não só consome mas produz material audiovisual contribuem para o crescimento do setor", afirma. Ainda sobre o mercado, ele acredita que existe uma certa concorrência por causa da facilidade de entrar na área. "Por ser vista como uma profissão que não é baseada em um ensino acadêmico propriamente dito, qualquer um pode dar seus primeiros passos sem precisar ter entrado em uma sala de aula", comenta.
 
Sobre as questões de qualificação, Renan complementa. "No meu ponto de vista, a troca de conhecimentos com outros profissionais é uma das melhores formas pra adquirir conteúdo", finaliza. Pelos diversos atrativos, como a remuneração, a versatilidade e a flexibilidade de horários e rotina, além do atual mercado favorável e a expectativa da geração de milhares de vagas para os próximos anos, a Indústria Audiovisual tem atraído cada vez mais profissionais e oferece um bom momento para quem deseja ingressar no segmento.

O Senai Rio permanece com inscrições abertas, ao longo do ano, para cursos gratuitos e pagos voltados para a área. Atualmente, há, também, vagas para os cursos oferecidos em parceria com a RioFilmes. Para se inscrever em qualquer um dos cursos do Senais, os
interessados devem acessar o
www.cursosenairio.com.br, onde também podem ser obtidas mais informações sobre unidades, horários e conteúdo programático de cada curso. Já para se inscrever nos cursos em parceria com a RioFilmes, os candidatos devem comparecer à Rua Esteves Junior, 47, 2º andar, Laranjeiras, Rio de Janeiro, das 8h às
20h. Todas oportunidades destes cursos são voltadas para estudantes do ensino superior no segmento audiovisual, profissionais atuantes na área ou moradores de comunidades pacificadas. Mais informações pelo (21) 3235-2977.
 
 

 

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações