Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

\"Dobraremos o orçamento destinado à Educação fundamental\"


Roberto Numeriano é recifense, tem 50 anos, é servidor público federal, doutor em Ciência Política e jornalista. É filiado ao Partido Comunista Brasileiro (PCB). É candidato a prefeito pela coligação Frente de Esquerda. Sua vice é Albanise Pires, do Partido Socialismo e Liberdade (Psol).

FOLHA DIRIGIDA - Atualmente, Recife enfrenta diversos desafios. Está em uma das áreas metropolitanas mais densamente habitadas do país, apresenta deficiência com transportes, saúde e sobretudo infraestrutura, no tocante ao saneamento básico. Diante deste quadro, por que ainda assim, o senhor deseja ser prefeito?
Roberto Numeriano - Por que se não reagirmos ao controle privado da gestão municipal, os problemas ficarão ainda piores. O Recife e sua cidadania estão sofrendo os efeitos de uma visão privatista da Saúde, do espaço urbano, da Segurança, da Educação e dos Transportes, por exemplo. Pretendemos romper com essa prática e criar as bases do Poder Popular com Controle Social, para gerir a cidade a partir do povo, de baixo para cima, dialogando com movimentos sociais para reformar o Plano Diretor e resgatando a participação popular.

Quais são seus principais projetos para valorizar o servidor público municipal? O senhor os considera bem remunerados?
Em geral, não são bem remunerados. Nossa candidadura é a única que propõe rediscutir as carreiras com os representantes das entidades de classe, defendendo a criação de cinco carreiras estratégicas na administração municipal: dos profissionais de Saúde, Educação, Fazenda, Segurança e Gestor Público.

Na sua administração, todas as vagas nas atividades-fim do serviço público serão ocupadas por concursados? Qual vantagem o senhor vê nisso?
Sempre. E não abrirei nenhum concurso para cadastro de reserva, prática enganosa e em muitos casos corrupta, para angariar dinheiro de quem não será chamado.

Quais os planos do senhor para a Educação? Apesar de ter havido uma redução, a taxa de analfabetismo das pessoas com mais de 15 anos de idade ainda é alta, em comparação com algumas capitais brasileiras (7,13% em 2010). Quais medidas o senhor pretende adotar para melhorar a qualidade do ensino da rede municipal?
A Educação é estratégica. Dobraremos a parcela do orçamento destinado à educação fundamental, e o salário será acima do piso nacional do magistério. Reformaremos as escolas, acrescentando bibliotecas padronizadas em todas, informatizando-as, dentro de um projeto pedagógico, e cuidaremos da segurança no entorno das unidades.

O senhor vê necessidade de contratar mais professores, por meio de concurso? Pode garantir que na sua administração não haverá carência de professores?
Sou servidor público federal. Sei da importância democrática e republicana do concurso. Todos os profissionais serão contratados neste modelo.

Segundo o IBGE, 74,6% dos estabelecimentos de Saúde do Recife são privados. O senhor considera este percentual justo? Quais são seus projetos para a área de Saúde?
Recuperarei os postos de Saúde da Família (PSF´s) com mais especialidades, a partir da contratação de médicos, assistentes sociais, dentistas, enfermeiros e agentes de saúde.

Em quais áreas da administração municipal o senhor já detectou carência de pessoal? Haverá concursos para esses setores no seu governo?
Está claro que há um déficit e contrataremos profissionais da Saúde, Educação e Segurança.

Aumentar a arrecadação e gastar melhor o dinheiro público serão prioridades na sua gestão? Como isso será obtido? Há planos para reforçar o quadro da fiscalização fazendária e de outros setores, via concurso?
Sim, mediante concurso e melhorando remuneração do pessoal. Nosso objetivo é aumentar os mecanismos de controle e transparência, com a criação de ouvidorias e corregedorias.

Quais os planos do senhor quanto à Mobilidade Urbana?

Revisaremos as concessões das empresas que operam as linhas de transporte; criaremos uma companhia municipal, com caráter regulador da área, a fim de equalizar tarifas e fiscalizar as empresas
privadas; estimularemos e patrocinaremos o uso de bicicletas, adequando as avenidas para receber o fluxo de usuários; readequaremos e reformaremos as paradas de ônibus, permitindo acesso seguro e
confortável, principalmente aos deficientes; ampliaremos o número de veículos adaptados com espaço e acesso especiais aos cadeirantes; estenderemos a frota legalizada do transporte complementar, com normas específicas operacionais disciplinadoras para o sistema; analisaremos e corrigiremos as falhas do Corredor Leste-Oeste, discutindo a Av. Conde da Boa Vista. E criaremos, a partir do modelo de Curitiba, alimentadores dos coletivos, para reduzir a quantidade de ônibus que circulam na Conde da Boa Vista. Ainda analisaremos estratégias para desafogo do trânsito de veículos que demandam o
centro do Recife, com estudo da implantação de rodízio.

Qual a opinião do senhor sobre a Lei de Acesso à Informação? Acredita que ela serve para mostrar a transparência de uma administração pública e que ajudará a diminuir a corrupção e desvios de dinheiro?
Sim, mas o acesso por si só não basta. É preciso dotar a população de mecanismos de fiscalização e controle da gestão.

A estabilidade é apontada por alguns como impedimento para um serviço público eficiente. O que acha disso?
Essa é uma grande e perigosa mistificação político-ideológica, que só interessa a quem deseja privatizar o serviço público. Mesmo antes de ser servidor, sempre defendi, assim como o PCB, a necessidade do servidor ter salvaguardas que bloqueiem ameaças políticas e assédios. A estabilidade, com controle e avaliação da função pública, é uma necessidade republicana.

Recife será sede de jogos da Copa das Confederações em 2013 e da Copa do Mundo Fifa em 2014. O senhor acredita que a cidade está se preparando bem para estes eventos? Ainda vê necessidade de investimentos públicos em determinadas áreas? Qual o legado que deve ficar para a população?
Não está se preparando bem, pois as obras são restritas a esses eventos. As melhorias são pontuais e superficiais.

A sintonia com os governos federal e estadual deve continuar, a qualquer preço, ou Recife pode crescer sozinha?
O diálogo deve ser franco, mas autônomo. Política é antes de tudo
diálogo, não seremos prefeitos para nós mesmos.

Em relação ao turismo, como essa indústria pode contribuir para o fomento da economia da cidade e quais suas prioridades em relação a este setor?

Valorizando mais os folguedos populares da cultura pernambucana por meio dos produtores culturais, que serão estimulados por meio de um fundo cultural que vamos criar.

Qual a opinião do senhor sobre a Lei de Acesso à Informação? Acredita que ela serve para mostrar a transparência de uma administração pública e que ajudará a diminuir a corrupção e desvios de dinheiro?
Sim, mas o acesso por si só não basta. É preciso dotar a população de mecanismos de fiscalização e controle da gestão.

Em todas as eleições, vemos e ouvimos muitas promessas de melhorias. Mas nem sempre o candidato eleito prefeito cumpre suas promessas. O senhor é favorável ao Projeto de Lei Complementar 594/10 que torna inelegível por oito anos o político condenado por descumprir promessas de campanha? Quais as garantias que o senhor dá para a população de que cumprirá todas as suas metas?
Esse projeto de lei está com o foco errado. Muitas vezes um candidato não consegue cumprir uma promessa por motivos alheios à sua vontade. Defendo o mandato imperativo, que significa a possibilidade de o povo revogar o mandato se o eleito não cumprir com as promessas.

Quais são os projetos do senhor para a área de Meio Ambiente?
Pretendo criar uma Secretaria Especial de Meio Ambiente para encaminhar, a partir do Plano Diretor, a política de meio ambiente e sustentabilidade ambiental.

E quanto aos moradores de rua? Quais os planos do senhor para a inclusão social da população mais carente?
O morador na rua (ninguém é da rua) será cadastrado e chamado para fazer cursos que propiciem gerar renda para si.
 
O que o senhor pretende fazer para aumentar a empregabilidade e a renda dos trabalhadores no município?
Transporte público, circulação e acessibilidade. O nosso Programa contempla, sob um conceito integral, as questões de Transporte, Circulação e Acessibilidade. Nossas propostas são as seguintes:
revisão das concessões às empresas que operam as linhas de transporte coletivo do Recife; criação de uma empresa de transporte coletivo municipal, com caráter de reguladora da área, a fim de equalizar tarifas e fiscalizar as empresas privadas; estimular e patrocinar o uso de bicicletas, adequando as avenidas para receber o fluxo de usuários; readequar e reformar paradas de ônibus, para permitir, acesso seguro e confortável aos ônibus, principalmente para deficientes; ampliar o número de veículos adaptados com espaço e acesso especiais para cadeirantes; ampliar a frota legalizada do transporte complementar, criando normas específicas operacionais disciplinadoras para este sistema; analisar e corrigir as falhas do Corredor Leste-Oeste, discutindo, inclusive, a Av. Conde da Boa Vista; criar, a partir do modelo empregado em Curitiba, alimentadores do transporte coletivo, a fim de reduzir o número de ônibus que circulam na Conde da Boa Vista. Um dos alimentadores seria instalado na Praça do Derby, onde chegariam várias linhas e os passageiros embarcariam em ônibus que, sem cobrar tarifa adicional, transportariam estes passageiros pela av. Conde da Boa Vista, até a Av. Dantas Barreto; fiscalizar a prestação de serviço de muitas empresas, relativamente ao cumprimento de horários e limpeza dos veículos; reduzir o tamanho do bloqueio das catracas, para evitar que as crianças se arrastem no chão ao transpô-las; criar o passe–livre para os estudantes carentes e trabalhadores desempregados, com base no conceito do programa Todos com a Nota; alocar recursos da União e do orçamento estadual para criar o Metrô (subterrâneo) do Recife, ligando-os aos modais ora em construção; alocar recursos para  planejar e implantar nos corredores principais o VLT. Vamos, ainda, analisar as estratégias para desafogar o trânsito de veículos que demandam o centro do Recife (estudar a implantação do rodízio de placas).

Gostaria de deixar uma última mensagem?

O Recife tem dono. O dono é o povo. Essa é palavra de ordem da Frente de Esquerda PCB - PSOL.

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações