Entrar Assine

Notícia principal

Iniciais de R$8.723 e R$14.863


O Tribunal de Contas da União (TCU) está com inscrições abertas nos concursos para 42 vagas de técnico (nível médio) e 66 de auditor (nível superior), somando 108 vagas. Os rendimentos são de R$8.723,10 e R$14.863,40, respectivamente, inclusas as gratificações e o auxílio-alimentação de R$784,74. A estabilidade conquistada com a contratação estatutária e as ótimas remunerações, umas das melhores do serviço público federal, estão despertando o interesse de milhares de pessoas de todo o país para a seleção.
 
Os interessados têm até o dia 29 para se inscreverem no site do Cespe/UnB, organizador. Após preencher o cadastro, é preciso imprimir o boleto e efetuar o pagamento da taxa, de R$90 (técnico) ou R$160 (auditor). Há possibilidade de isenção para candidatos de baixa renda inscritos no CadÚnico, que devem seguir as instruções do edital disponível aqui, na FOLHA DIRIGIDA Online. Os portadores de deficiência que optarem por concorrer nessa condição devem encaminhar à banca uma cópia do CPF e do documento de identidade, bem como o original ou cópia autenticada do laudo médico.
 
As vagas de técnico são para Brasília (32), Maranhão (2), Acre (1), Mato Grosso (1), Amazonas (1), Bahia (1), Pará (1), Pernambuco (1), Rondônia (1) e Roraima (1). As 66 oportunidades para auditor federal de controle externo destinam-se às áreas de Auditoria Governamental (36) e de Tecnologia da Informação (30). As da primeira especialidade serão distribuídas da seguinte maneira: Brasília (29), Acre (2), Amazonas (1), Amapá (1), Mato Grosso (1), Pará (1) e Roraima (1). Para a área de TI, todas as vagas serão destinadas à capital federal.
 
As primeiras provas estão divididas em dois turnos nos dias 9 e 16 de agosto, para técnicos e analistas, respectivamente. Os candidatos à carreira de 2º grau responderão a 100 itens objetivos de conhecimentos básicos e específicos, enquanto os futuros auditores serão submetidos a 200 itens. Além disso, todos farão duas provas discursivas também nos dias 9 e 16, sendo uma de assuntos gerais e outra de específicos. Na última sexta-feira, 12, uma retificação alterou o programa para auditores.
 
Os aprovados na primeira etapa passarão ainda por um programa de formação que será ministrado apenas na cidade de Brasília. O curso terá carga mínima de 60 horas, e durante a sua realização, os candidatos farão jus a auxílio financeiro, na forma da legislação vigente à época. Os concursos têm validade de dois anos, para técnico, e de seis meses para auditor, podendo ser prorrogados por igual período, prazo onde novas contratações poderão ser feitas.
 
Candidatos cobram provas em todas as capitais
Vários interessados em participar do concurso para o TCU criticam a decisão do órgão de aplicar as provas apenas nas capitais dos estados onde há oferta de vagas. Nas redes sociais, candidatos pedem que os exames aconteçam em todas as capitais do país. A determinação vai na contramão do Projeto de Lei nº 2349/07, em discussão no Congresso Nacional, que dispõe sobre o fato dos concursos federais aplicarem provas em todas as capitais, desde que registrados 50 candidatos na localidade.
 
Luiz Machado é morador do Rio de Janeiro e sente-se prejudicado por não ter provas aplicadas em nenhuma cidade da Região Sudeste. "O mais próximo é Brasília ou Salvador. São gastos com passagens, alimentação e hospedagem", diz o concurseiro, que ainda critica o período entre a publicação do edital e a realização das provas. "Dois meses é muito pouco para um concurso desse tipo. O conteúdo é muito extenso", diz.
 
Outro candidato que precisaria ir a outro estado para fazer as provas é Aldemar de Souza, do Piauí. "Estou acompanhando o desenvolvimento do concurso e estudando para as provas. Quando soube que seria necessário me deslocar até Brasília ou Recife, que são as cidades previstas mais próximas, senti uma certa frustração. Estou tentando viabilizar financeiramente a minha participação", afirma o candidato.
 
Para Dulce Aquino, a decisão do órgão é bastante prejudicial para quem não tem condições de viajar para outra cidade. "Moro no Rio de Janeiro e os custos serão muito grandes. Nós, concurseiros, já temos gastos com preparatórios e materiais de estudo. Pagar passagem aérea e hotel é algo fora da minha realidade. No último concurso as provas foram feitas em todas as capitais. Não entendi a mudança", questiona.

"A maior parte dos candidatos virá de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Por que não colocar provas nessas duas últimas cidades também? Vou ter que ir até a capital federal para isso. Não vou desistir do concurso. Me sinto muito bem preparado", garante Anderson da Silva. FOLHA DIRIGIDA tentou contato com o TCU para obter esclarecimentos sobre essa decisão. No entanto, até o momento a Assessoria de Comunicação ainda não se pronunciou a respeito.

Serviço
Envio de documentação: Central de Atendimento do Cespe – Universidade de Brasília (UnB), Caixa Postal 4488, CEP 70904-970, Brasília/DF.

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações