Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

Especialistas orientam para início da preparação em cada disciplina


O concurso do TRE-SP costuma ser um dos mais concorridos entre os tribunais paulistas, por conta do número de convocações e dos benefícios oferecidos pelo órgão. Para alcançar uma das vagas oferecidas na seleção é fundamental se preparar com antecedência. Para ajudar nesta fase inicial de estudos, a FOLHA DIRIGIDA apresenta orientações de especialistas da Central de Concursos e do Curso Neaf sobre as disciplinas que fizeram parte do conteúdo programático do cargo de técnico da área administrativa no concurso de 2011.

CONHECIMENTOS BÁSICOS


LÍNGUA PORTUGUESA
“Em uma prova do âmbito do TRE é fundamental uma organização dos conteúdos de Língua Portuguesa e assim que cada conceito for trabalhado e assimilado, deve ser aplicado às questões de provas anteriores. A banca esperada para a elaboração da prova é a Fundação Carlos Chagas que invariavelmente aborda regência verbal e nominal, concordância verbal e nominal e nunca deixa de lado questões envolvendo o uso da crase. Acrescente à sua bagagem conhecimentos sobre pontuação, pronomes relativos e flexão dos verbos e você já tem o suficiente para realizar uma boa prova. Não há necessidade de fixar toda a teoria gramatical, mas sim, compreender os conceitos e resolver muitas questões de prova, estabelecendo assim, de acordo com as dificuldades que possam surgir, seu planejamento de estudo.”
Cláudia Beltrão, professora da Central de Concursos

INFORMÁTICA

Considerando o edital do último concurso, é possível que sejam apresentadas algumas alterações e atualizações, sendo as mais prováveis: uso de versões atualizadas do Sistema Operacional Windows (versões 7, 8 e 10), inclusão de outros navegadores (no edital anterior apenas o IE foi cobrado), apresentação da versão 2010 e/ou 2013 do Word e maior abrangência no capítulo dedicado à segurança da Informação. Algumas outras alterações são possíveis, mas menos prováveis: inclusão de planilhas de cálculo e apresentação do pacote LibreOffice. Para enfrentar as questões FCC, caso esta seja escolhida como banca, o candidato precisa de um processo de estudo muito focado nos detalhes, principalmente nas janelas de execução de comandos nos aplicativos diversos. Como a banca tem um estilo bem característico no uso da língua Portuguesa na apresentação do conteúdo na prova, é imprescindível que o candidato esteja familiarizado com o maior número possível de questões de provas anteriores, mesmo que tenham sido dedicadas a outras instituições e outros cargos. Definitivamente não é uma prova que podemos enfrentar com segurança apenas munidos dos conhecimentos cotidianos que desenvolvemos como usuários de computadores. As questões costumam ser distribuídas entre todos os tópicos do conteúdo programático, sem especial foco em itens específicos. Ainda assim, existem alguns grupos de assuntos que devem ser intensificados nos estudos como Internet/Intranet: Navegadores, Protocolos de rede, Ferramentas de Busca e Computação em Nuvem; correio eletrônico, aplicativo de caçulo, sistemas operacionais e hardware.
Rene Maas, professor do curso Neaf

ARQUIVOLOGIA
“O tema mais frequente numa prova de arquivologia é GESTÃO DE DOCUMENTOS, que aborda temas como: Arquivos Correntes, Intermediários e Permanentes, Armazenamento, Setor de Protocolo, Métodos de Arquivamento e outros. O candidato precisa estar atento aos itens mencionados, pois é recorrente em provas de concursos. No último concurso em 2012 tivemos 10 questões de Arquivologia de um total de 80, portanto uma matéria considerável.
Para os temas relacionados ao Ciclo de Vida dos documentos (Arquivos Correntes, Intermediários e Permanentes), é interessante estudar através de esquemas visuais, observando as diferenças entre eles e claro resolver questões é primordial para uma boa preparação.”
Cristiano Silva, professor da Central de Concuros

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

DIREITO ADMINISTRATIVO

“Uma das principais características do Direito Administrativo é a de não possuir um Código unificador, razão pela qual, o estudo desta matéria deve ser focado tanto na doutrina como na legislação. Alguns assuntos, tais como Improbidade Administrativa, Licitação e Processo Administrativo Federal possuem leis específicas, devendo o concurseiro lê-las e compreendê-las. Por exemplo, para conhecer os atos de improbidade administrativa, deve-se estudar os arts. 9º, 10 e 11 da Lei 8.429/92. De outro lado, temas como Princípios da Administração e Ato Administrativo são essencialmente doutrinários, situação que impõe ao concurseiro estudar a partir de livros ou apostilas. Além disso, deve-se conhecera banca examinadora – que para o TRE/SP tem sido a Fundação Carlos Chagas (FCC) –, resolvendo questões de provas anteriores.Para outros TRE´s, além da FCC, a CESPE é uma das organizadoras mais comuns. Por fim, o concurseiro deve procurar um bom curso preparatório e prestar atenção nas dicas e orientações dos professores especializados em concursos públicos.”
Rodrigo Cavalheiro Rodrigues, professor da Central de Concursos

DIREITO CONSTITUCIONAL
“O último edital para a disciplina veio básico e a prova mostrou que não houve grandes diferenças entre as provas de técnico e analista. Conceitos doutrinários, como ‘Constituição e Conceito’ e ‘Poder Constituinte’ vieram no edital. Além de ‘Princípios Fundamentas’ e ‘Direitos e Garantias. Então para provas como esta o candidato deve estudar desde o artigo 1º ao 17º da Constituição. No que diz respeito à organização do estado é necessário ter uma visão ‘macro’. Ele precisa ter noção de como funciona o estado brasileiro, saber que os estados têm suas próprias constituições e que os municípios têm suas leis orgânicas. O edital de 2011 cobrou também a parte de Administração Público, o que é corriqueiro, por isso os artigos 37 ao 41 são obrigatórios em provas de tribunais, ainda mais se tratando de FCC. Na prova, muito provavelmente, a banca vai exigir que o candidato saiba qual a competência de cada Tribunal, além de conhecer o capítulo referente ao Ministério Público. È fundamental a leitura do texto constitucional, mas vale ressaltar que atualmente as provas estão trazendo situações hipotéticas e o candidato tem que enquadrar o caso à Constituição”
Alessandro Ferraz diretor e professor do curso Neaf


NORMAS APLICÁVEIS AOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

“Nesse ponto, o Edital de 2011 cobrou as Leis nº 8.112/90 e nº 11.416/06. A lei 8.112 institui o regime jurídico dos servidores públicos federais, tratando-se do conjunto sistematizado de regras referentes aos direitos, deveres e demais assuntos que regem a vida funcional do servidor federal.
Conhecer os dispositivos da Lei 8.112 é essencial para o sucesso em qualquer concurso público na área federal.  As bancas examinadoras, em geral, cobram essa matéria por meio de questões que repetem a literalidade da lei, no entanto, alguns temas mais específicos merecem o conhecimento acerca de como jurisprudência dos Tribunais interpreta a lei 8.112. A Lei 11.416 apresenta regras específicas aplicáveis aos servidores do Poder Judiciário da União, disciplinando as atribuições dos cargos do PJU, regras sobre desenvolvimento da carreira e remuneração”
Filippe Soares Lizardo, analista do TRE-SP e professor do Curso Neaf

REGIMENTO INTERNO
“O Regimento Interno do TRE-SP estabelece a composição, a competência e o funcionamento do Tribunal, regulando também os procedimentos jurisdicionais e administrativos que lhe são atribuídos pela Constituição Federal e pela legislação eleitoral. O Edital do último concurso cobrou apenas os artigos 1 a 34, que compreendem as disposições relativas à composição e organização do Tribunal, tais como as normas sobre a escolha de seus membros, os biênios, posse, férias e licenças dos juízes que compõe o Tribunal. Além disso, os artigos contemplados pelo Edital tratam também sobre as regras relativas à competência do Tribunal, às atribuições do Presidente, Vice-Presidente e Corregedor Regional Eleitoral, além de disposições acerca do funcionamento e competência da Procuradoria Eleitoral, que é o órgão do Ministério Público que atua perante os Tribunais Eleitorais”
Filippe Soares Lizardo, analista do TRE-SP e professor do Curso Neaf

DIREITO ELEITORAL
“Na matéria Direito Eleitoral, o Edital de 2011 cobrou do candidato conhecimentos acerca dos Conceitos e Fontes do Direito Eleitoral, e também sobre as principais disposições legais sobre a matéria, ou seja, o Código Eleitoral e as Leis nº64/90, 9.504/97 e 9.096/95, além da Resolução TSE nº 21.538/03 e da Lei 6.091/74. Em relação ao Código Eleitoral, o edital restringiu-se apenas aos dispositivos relativos à organização da Justiça Eleitoral e sobre as disposições gerais sobre os recursos em matéria eleitoral. Quanto à Lei 64/90, conhecida como Lei das Inelegibilidades, o edital cobrou os artigos2º; 3º; 15 a 22; 24 e 25. Entretanto, em relação às Leis 9.504 e 9.096, conhecidas, respectivamente, como Lei das Eleições e Lei Orgânica dos Partidos, cobrou-se praticamente todos os dispositivos, exigindo do candidato um amplo conhecimento dessas duas leis. Além disso, exigiu-se conhecimentos sobre a extensa Resolução 21.538, importante ato normativo do TSE que disciplina, dentre outros assuntos, o alistamento eleitoral, revisão do eleitorado e regras relativas à administração do cadastro nacional de eleitores. Cobrou-se também as disposições referentes à Lei 6.091/74, que trata sobre o transporte de eleitores nas eleições.
Filippe Soares Lizardo, analista do TRE-SP e professor do Curso Neaf
 

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações